🇮🇹 SINDROME DEL NIDO VUOTO 🇵🇹 SÍNDROME DO NINHO VAZIO 🇬🇧 EMPTY NEST SYNDROME

Aggiornamento: 23 apr


🇮🇹 SINDROME DEL NIDO VUOTO

Una riflessione per la Festa della Santa famiglia (26-12-2021)

< Lc 2,41-52 (Gesù ritrovato al Tempio).

I.

Tra le tante sindromi che colpiscono le persone, c’è n’è una che colpisce i genitori, la “sindrome del nido vuoto”, cioè quando i propri figli lasciano la casa o per un periodo di studio o uno stage, o in modo definitivo quando si sposano o vanno a vivere da soli. Molti genitori vivono questo momento come un trauma e alcuni entrano addirittura in depressione.

Questo distacco netto è preceduto da altri distacchi che cominciano nell’età adolescenziale dei figli quando, per esempio cominciano a chiudere la porta del bagno; oppure preferiscono passare il loro tempo con gli amici che con i genitori; quando non raccontano più i loro segreti ai genitori…

Eppure questi segnali che possono sembrare di crisi sono in realtà segnali di crescita (crisi vuol dire proprio crescita). Anzi, è molto più problematico un figlio che non si stacca mai dai genitori e non esce mai di casa, piuttosto di quelli che vogliono la loro indipendenza.

II.

Attraverso questa crisi nel rapporto genitori-figli sono passati anche Maria e Giuseppe, come abbiamo sentito nel Vangelo di oggi che racconta del ritrovamento di Gesù smarritosi a Gerusalemme.

Quando ritrovano Gesù dopo tre giorni Maria richiama il figlio: “Perché ci hai fatto questo? Ci hai fatto passare le pene dell’inferno”. E Gesù pronuncia quelle parole, le prime testimoniate nei vangeli, dove prende un netto distacco dai genitori: “Perché mi cercavate?”. E rivendica per sé una sua indipendenza, una sua vocazione: “devo fare le cose del Padre mio”, padre che non era Giuseppe.

Fu allora che Maria percepì chiaramente che quel figlio non era più solo suo e probabilmente si ricordò delle parole di Simeone: “una spada ti trafiggerà l’anima”. Non solo una volta ma molte volte.

Gesù infatti ha marcato molte volte il distacco dai suoi genitori e da sua madre.

Quando alle nozze di Cana Maria vuole dirGli cosa fare la risposta di Gesù è raggelante: “Donna, cosa vuoi da me. Non è ancora giunta la mia ora”.

Quando Lei va a cercarlo in piazza e riferiscono a Gesù “tua madre è i tuoi fratelli ti cercano” sappiamo la risposta di Gesù: “Chi è mia madre, chi sono i miei fratelli?” E rivendica una parentela non più basata sui legami di sangue.

Anche alla fine sulla croce Gesù sembra marcare ancora un ultimo distacco.

III.

In questi giorni sto leggendo il libro “Il Signore”, il poderoso volume di più di 700 pagine del grande teologo e filosofo Romano Guardini, il quale parlando del distacco di Gesù da Maria scrive queste belle parole:

“Ella dovette sperimentare continuamente come egli, vivendo nel mistero di Dio, crescesse staccandosi da lei. Egli si innalzava di continuo al di sopra di lei, cosicché ella avvertiva il taglio della spada; ma a continue riprese ella si risollevava nella fede dietro di lui e di nuovo lo abbracciava. Finché da ultimo (sulla croce) egli non volle neppure essere più suo Figlio. Ora doveva esserlo l’altra persona che le stava accanto. Gesù stava solo, lassù, sul più sottile crinale della creazione, davanti alla giustizia di Dio. Ma ella accettò, nell’ultimo suo condividere la sofferenza, la separazione - e si trovò, proprio in questo, nella fede, di nuovo accanto a lui. Sì, veramente, beata tu perché hai creduto!“

IV.

Anche i genitori che a malincuore hanno visto i figli staccandosi da loro, hanno poi sperimentato un nuovo legame con loro e li hanno ritrovati poi non più come i loro bambini, ma come loro figli adulti, maturi, capaci a loro volta di generare e diventando a loro volta genitori, capaci di capire e amare ancora di più i loro propri genitori.

Ma perché avvenga questo ricongiungimento è necessario passare attraverso l’esperienza dolorosa del distacco.

Il Vangelo più volte riporta che Maria non comprendeva quello che succedeva, ma conservava tutto nel suo cuore. La Sacra Famiglia insegna l’arte della pazienza, del saper aspettare, del silenzio e ci ricorda che ogni figlio ha la sua vocazione, deve percorrere la sua strada. Ci insegna che i figli non sono nostri ma di Dio e quindi possiamo stare tranquilli, perché non saranno mai soli.


🇵🇹 SÍNDROME DO NINHO VAZIO

Uma reflexão para a Festa da Sagrada Família (26-12-2021)

< Lc 2,41-52 (Jesus encontrado no Templo).

I.

Entre as muitas síndromes que afectam as pessoas, há uma que afecta os pais, a "síndrome do ninho vazio", ou seja, quando os seus filhos saem de casa quer para um período de estudo ou de estágio, quer permanentemente quando se casam ou vão viver por conta própria. Muitos pais experimentam este momento como um trauma e alguns até entram em depressão.

Esta separação definitiva é precedida por outras separações que começam na adolescência quando, por exemplo, as crianças começam a fechar a porta da casa de banho; ou preferem passar tempo com amigos em vez de com os pais; quando já não contam aos pais os seus segredos...

No entanto, estes sinais, que podem parecer crises, são na realidade sinais de crescimento (crise significa crescimento). Pelo contrário, uma criança que nunca deixa o lado dos pais e nunca sai de casa é muito mais problemática do que aqueles que querem a sua independência.

II.

Maria e José também passaram por esta crise na relação pai-filho, como ouvimos no Evangelho de hoje, que conta que Jesus perdido foi encontrado em Jerusalém.

Quando encontram Jesus após três dias, Maria chama atenção do seu filho: "Por que nos fizeste isto? Fizeste-nos passar pelas dores do inferno". E Jesus pronuncia estas palavras, as primeiras testemunhadas nos evangelhos, onde se desprende claramente dos seus pais: "Por que me procuravam?". E reivindica para si a sua própria independência, a sua própria vocação: "Tenho de fazer as coisas do meu Pai", um pai que não era José.

Foi então que Maria percebeu claramente que o seu filho já não era só dela e provavelmente lembrou-se das palavras de Simeão: "uma espada perfurará a tua alma". Não apenas uma vez, mas muitas vezes.

De facto, Jesus marcou muitas vezes a separação dos seus pais e da sua mãe.

Quando na festa de casamento de Caná Maria quer dizer-lhe o que fazer, a resposta de Jesus é arrepiante: "Mulher, o que é que queres de mim? A minha hora ainda não chegou".

Quando ela vai procurá-lo na praça e comunicam a Jesus "a tua mãe e os teus irmãos estão aqui à tua procura", sabemos a resposta de Jesus: "Quem é a minha mãe, quem são os meus irmãos?”, e reivindica um parentesco que já não se baseia em laços de sangue.

Mesmo no fim, na cruz, Jesus parece marcar uma separação final.

III.

Nestes dias estou a ler o livro "O Senhor", o poderoso volume de mais de 700 páginas do grande teólogo e filósofo Romano Guardini, que, falando do desprendimento de Jesus de Maria, escreve estas belas palavras:

"Ela tinha de experimentar continuamente como ele, vivendo no mistério de Deus, crescia ao desprender-se dela. Ele elevou-se continuamente acima dela, de modo que ela sentiu o corte da espada; mas uma e outra vez ela levantou-se na fé atrás dele e abraçou-o novamente. Até que finalmente (na cruz) ele já nem sequer queria ser seu Filho. Agora tinha de ser a outra pessoa que estava ao seu lado. Jesus estava sozinho, ali em cima, no cume mais fino da criação, perante a justiça de Deus. Mas ela aceitou, na sua derradeira partilha de sofrimento, de separação - e viu-se, neste mesmo acto de fé, uma vez mais ao seu lado. Sim, de facto, abençoados sois vós porque acreditastes"!

IV.

Mesmo os pais que relutantemente viram os seus filhos separados deles, experimentaram então uma nova ligação com eles e voltaram a encontrá-los, já não como as suas criancinhas, mas como seus filhos adultos e maduros, capazes por sua vez de gerar e tornar-se pais, capazes de compreender e amar ainda mais os seus próprios pais.

Mas para que esta reunião se realize, é necessário passar pela dolorosa experiência da separação.

O Evangelho relata repetidamente que Maria não compreendeu o que estava a acontecer, mas guardou tudo no seu coração. A Sagrada Família ensina-nos a arte da paciência, de saber esperar, do silêncio, e lembra-nos que cada filho tem a sua própria vocação, deve seguir o seu próprio caminho. Ensina-nos que os filhos não são nossos mas de Deus e por isso podemos estar certos de que nunca estarão sós.


🇬🇧 EMPTY NEST SYNDROME

A reflection for the Feast of the Holy Family (26-12-2021)

< Lk 2:41-52 (Jesus found in the Temple).

I.

Among the many syndromes that affect people, there is one that affects parents, the "empty nest syndrome", that is, when their children leave home either for a period of study or an internship, or permanently when they get married or go to live on their own. Many parents experience this moment as a trauma and some even go into depression.

This final separation is preceded by other separations that begin in the teenage years when, for example, children start to close the bathroom door; or prefer to spend time with friends rather than with their parents; when they no longer tell their parents their secrets...

And yet these signs, which may appear to be crises, are in fact signs of growth (crisis means growth). On the contrary, a child who never leaves his parents' side and never leaves home is much more problematic than those who want their independence.

II.

Mary and Joseph also went through this crisis in the parent-child relationship, as we heard in today's Gospel, which tells of Jesus being found in Jerusalem.

When they find Jesus after three days, Mary calls back to her son: "Why have you done this to us? You have put us through the pains of hell". And Jesus pronounces those words, the first ones witnessed in the gospels, where he takes a clear detachment from his parents: "Why were you looking for me?". And he claims for himself his own independence, his own vocation: "I must do the things of my Father", a father who was not Joseph.

It was then that Mary clearly perceived that her son was no longer hers alone and probably remembered Simeon's words: "a sword will pierce your soul". Not just once but many times.

Jesus in fact marked the separation from his parents and his mother many times.

When at the wedding feast of Cana Mary wants to tell Him what to do, Jesus' reply is chilling: "Woman, what do you want from me? My hour has not yet come".

When she goes to look for him in the square and they report to Jesus "your mother and your brothers are looking for you" we know Jesus' answer: "Who is my mother, who are my brothers?" And he claims a kinship no longer based on blood ties.

Even at the end, on the cross, Jesus seems to mark a final separation.

III.

In these days I am reading the book "The Lord", the mighty volume of more than 700 pages by the great theologian and philosopher Romano Guardini, who, speaking of Jesus' detachment from Mary, writes these beautiful words:

"She had to experience continually how he, living in the mystery of God, grew by detaching himself from her. He continually raised himself above her, so that she felt the cut of the sword; but again and again she rose in faith behind him and embraced him again. Until finally (on the cross) he did not even want to be her Son any more. Now it had to be the other person who stood beside her. Jesus stood alone, up there on the thinnest ridge of creation, before the justice of God. But she accepted, in her ultimate sharing of suffering, of separation - and she found herself, in this very act of faith, once more beside him. Yes, indeed, blessed are you because you have believed!"

IV.

Even parents who have reluctantly seen their children become separated from them, have then experienced a new bond with them and have then found them again, no longer as their children, but as their adult, mature children, capable in their turn of generating and becoming parents, capable of understanding and loving their own parents even more.

But for this reunion to take place, it is necessary to go through the painful experience of separation.

The Gospel repeatedly reports that Mary did not understand what was happening, but kept everything in her heart. The Holy Family teaches us the art of patience, of knowing how to wait, of silence, and reminds us that each child has its own vocation, must follow its own path. It teaches us that children are not ours but God's and therefore we can rest assured that they will never be alone.


25 visualizzazioni0 commenti

Post recenti

Mostra tutti