🇮🇹 UNA VITA IN STAZIONE 🇵🇹 UMA VIDA NA ESTAÇÃO


🇮🇹 UNA VITA IN STAZIONE

Una riflessione per la XXVIII Domenica, T.O. - B. (10-10-2021)

< Mc 10, 17-30 (Il giovane ricco).

I.

Martedì scorso ho avuto la grazia di assistere nella Sala Clementina del Vaticano, all’incontro del Papa con i Leader mondiali delle religioni. Il tema dell’incontro riguardava il Patto Educativo Globale, cioè quel grande progetto lanciato dal Papa, di un’alleanza educativa tra tutti coloro che nel mondo operano a vario titolo nel campo dell’educazione, per formare i giovani alla fraternità universale. Papa Francesco si è mostrato ancora una volta un grande educatore, dicendo che se finora il principio che ha orientato l’educazione è stato “conosci te stesso”, non dobbiamo tralasciare altri principi come “conosci il tuo fratello” per educare all’accoglienza dell’altro, “conosci il creato” per educare al rispetto della casa comune e formare a uno stile di vita più sobrio e infine “conosci il Trascendente” per educare al grande mistero della vita. E concluse: “Non possiamo tacere alle nuove generazioni le verità che danno senso alla vita”.

II.

Il giovane ricco che abbiamo sentito nel Vangelo di oggi, corre verso Gesù per chiedergli cosa deve fare per essere felice. E Gesù gli elenca le “regole” da seguire. Quel giovane probabilmente, essendo benestante, avrà avuto una buona istruzione, sarà stato un giovane ben educato… eppure, con tutta la formazione ricevuta, non era ancora felice, mancava qualcosa. Probabilmente era stato ben educato dai suoi maestri a conoscere bene se stesso, ma questo non basta. Ecco che Gesù, da grande educatore qual è, dopo il “conosci te stesso” conduce a un livello più in alto, al “conosci il tuo fratello”: se finora hai pensato solo a te stesso ora pensa agli altri «va’, vendi quello che hai e dallo ai poveri» e infine indica il punto finale “conosci il Trascendente” dicendogli «Vieni e seguimi».

“Conoscere” per Gesù non è solo un esercizio intellettuale ma è sinonimo di “amare”: ecco quindi l’itinerario educativo proposto da Gesù: ama te stesso, ama il tuo fratello, ama Dio.

III.

Alla domanda di felicità del giovane c’è solo una risposta: “una cosa sola ti manca: io”. E Gesù si offre per riempire e esaudire questo desiderio di felicità, donandosi a quel giovane con uno sguardo d’amore “fissò lo sguardo su di lui e lo amò”. Gesù propone a quel giovane il salto fondamentale dalla conoscenza all’amore, cioè da una fede teorica e fatta di osservanza di regole, a una fede che diventa esperienza di vita e d’amore.

Come in un patto matrimoniale i due si uniscano non solo perché conoscono teoricamente vita e opere dell’altro o perché si sono trattati sempre educatamente, ma perché si amano, così nel patto con Dio la fede autentica non si limita a una conoscenza teorica o a un’osservanza di regole, ma a un rapporto di amore profondo con Dio.

IV.

Quel giovane era corso verso Gesù come quando noi corriamo alla stazione quando vediamo il treno arrivare. Vede arrivare alla stazione il treno della felicità, vede aprirsi le porte del treno e quando il controllore gli dice il prezzo del biglietto (“vendi tutto quello che hai e dallo ai poveri”), ecco che indietreggia “si fa scuro in volto” e lascia ripartire il treno.

Quante volte anche noi abbiamo perso il treno della felicità per la mancanza di coraggio nel fare una scelta ardita, e siamo rimasti alla stazione guardando tristi il treno allontanarsi. E come quel giovane ce ne siamo andati via tristi, ritornando alla nostra routine quotidiana, fatta di piccole cose, e di osservanza di regole.

Aveva ragione Madre Teresa quando disse una volta che le persone più povere sono i ricchi, perché l’unica cosa che hanno sono i soldi.

V.

Per seguire Gesù nel suo viaggio meraviglioso bisogna avere coraggio di salire sul treno e non essere dei pusillanimi.

Il treno della felicità è Gesù, e come per quel giovane ci propone un viaggio incredibile con lui. Sta a noi scegliere se salire sul treno e viaggiare con Lui, o se rimanere tutta la vita in stazione.

🇵🇹 UMA VIDA NA ESTAÇÃO

Uma reflexão para o XXVIII Domingo, T.O. - B. (10-10-2021)

<Mc 10,17-30 (O jovem rico).

I.

Na terça-feira passada, tive a graça de participar do encontro do Papa com os líderes mundiais das religiões na Sala Clementina do Vaticano. O tema do encontro dizia respeito ao Pacto Educativo Global, isto é, aquele grande projeto lançado pelo Papa, de uma aliança educativa entre todos aqueles que no mundo atuam em diversas funções no campo da educação, para formar os jovens na fraternidade universal. O Papa Francisco mais uma vez se mostrou um grande educador, dizendo que se até agora o princípio que norteia a educação tem sido "conheça a si mesmo", não devemos negligenciar outros princípios como "conheça a seu irmão" para educar no acolhimento do 'outro, “conheça a criação” para educar a respeitar a casa comum e formar um estilo de vida mais sóbrio e finalmente “conheça o Transcendente” para educar ao grande mistério da vida. E concluiu: “Não podemos esconder as verdades que dão sentido à vida, às novas gerações”.

II.

O jovem rico que ouvimos no Evangelho de hoje corre até Jesus para lhe perguntar o que ele deve fazer para ser feliz. E Jesus lista as "regras" a serem seguidas. Provavelmente aquele jovem, sendo rico, terá tido uma boa educação, deve ter sido um jovem bem comportado... e mesmo assim, com toda a formação que recebeu, ainda não estava feliz, faltava alguma coisa. Ele provavelmente foi bem educado por seus professores para se conhecer bem, mas isso não é suficiente. Eis que Jesus, como o grande educador que é, depois do “conheça a si mesmo” leva a um patamar superior, a “conheça o seu irmão”: se até agora só pensaste em ti, agora pensas nos outros “vai, vende o que tu tens e dá aos pobres ”e finalmente indica o ponto final “conheça o Transcendente” dizendo-lhe “Vem e segue-me”.

“Conhecer” para Jesus não é apenas um exercício intelectual, mas é sinônimo de “amar”: aqui está o itinerário educativo proposto por Jesus: ame-se, ame o seu irmão, ame a Deus.

III.

Ao pedido da felicidade do jovem, só há uma resposta: "falta-te apenas uma coisa: eu". E Jesus se oferece para satisfazer e realizar este desejo de felicidade, entregando-se àquele jovem com um olhar de amor "fixou nele o olhar e o amou". Jesus propõe àquele jovem o salto fundamental do conhecimento ao amor, isto é, de uma fé teórica feita de observância de regras, a uma fé que se torna experiência de vida e de amor.

Como em uma aliança de casamento, os dois se unem não apenas porque teoricamente conhecem a vida e as obras um do outro ou porque sempre se trataram com educação, mas porque se amam, então, na aliança com Deus, a fé autêntica não se limita ao conhecimento teórico ou a observância de regras, mas é um relacionamento de profundo amor com Deus.

IV.

Aquele jovem correu em direção a Jesus como quando corremos para a estação quando vemos o trem chegar. Ele vê o trem da felicidade chegar na estação, vê as portas do trem se abrirem e quando o condutor lhe informa o preço da passagem ("venda tudo que você tem e dê aos pobres"), ele se afasta "ele pega com o rosto escuro” e deixa o trem partir.

Quantas vezes nós também perdemos o trem da felicidade por falta de coragem para fazer uma escolha ousada, e ficamos tristes na estação vendo o trem partir. E como aquele jovem saímos tristes, voltando ao nosso dia-a-dia, feito de pequenas coisas e observância de regras.

Madre Teresa tinha razão quando disse uma vez que os mais pobres são os ricos, porque a única coisa que eles têm é o dinheiro.

V.

Para seguir Jesus em sua viagem maravilhosa, é preciso ter a coragem de entrar no trem e não ser fracos.

O trem da felicidade é Jesus e, quanto a esse jovem, ele nos oferece uma viagem incrível com ele. Cabe a nós escolher se vamos pegar o trem e viajar com Ele, ou ficar na estação por toda a vida.

3 visualizzazioni0 commenti